.

.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

O TANQUE

 
 
Na sucata que deu origem a TT não havia um tanque, comprei um bem podre e sem os apoios para a alavanca de câmbio, mas isso não seria problema pois o câmbio foi passado para o pé
Foi feita a funilaria nas piores partes mas mesmo assim ficaram vários furos


A única solução que achei para salvar o tanque foi resinando o seu interior, para isso fiz uma cobertura dos furos com fita adesiva


Utilizei então um kit de resina produzido especificamente para esse fim e que usa acetona como solvente
O trabalho de resinagem é bem chato pois precisa ficar mobilizando o tanque por mais de uma hora para que a resina não se acumule em apenas um local


Depois da resina eu iniciei o trabalho externo no tanque, comecei por massa plástica nas partes mais danificadas


 
Passei então para a cobertura com massa rápida pois havia defeito pelo tanque todo


Eis que depois de todo o trabalho acabei comprando um tanque novo !
É um tanque 1947 em diante, mas estava em uma promoção tão grande na JP que eu não resisti


Como era um tanque zero, optei pela pintura eletrostática


Foi utilizada a mesma cor das rodas
O pessoal caprichou, lixou o tanque, fez uma primeira camada em branco, lixou novamente e só então usou o azul


Então o amigo Stefan entrou na história, colou os adesivos no local correto e por cima mandou um verniz automotivo
O outro tanque ficou com ele para que fizesse uma pintura estilizada. Me disse que está quase pronto. KKK !

 
Ai foi só instalar a torneira de combustível e os outros penduricalhos

Na remontagem após o PNT, resolvi deixar a moto com mais cara de corrida, então coloquei alguns adesivos por cima
Mooneyes das calotas ...

 
Fairbanks-Morse do magneto
Beep, Beep your ass ! não precisa de explicações


E mais um no para lamas traseiro informando de onde vieram a maioria das peças da moto !


domingo, 27 de julho de 2014

WLA NO GUERRA MUNDIAIS

 
Eis que depois de um longo período, a WLA saiu para passear!
Mesmo estando plenamente funcional, ela foi de carona com a www.motor7.com.br 

dessa vez foi completa, com o novo kit "bastardos inglórios" !
 
E mais alguns acessórios de época !

Para o encontro de veículos militares no sambódromo, em São Paulo, ficou exposta no stand do History Channel, no lançamento da série sobre as guerras mundiais
 
Com direito a área VIP e segurança particular !

segunda-feira, 21 de julho de 2014

O CÂMBIO

 
 
O câmbio usado é o original de 4 marchas, veio montado. abri para inspecionar. Nenhuma engrenagem quebrada, todos os espaçadores corretos, algumas folgas mas nada que comprometesse seu funcionamento, retirei o óleo antigo que estava uma lama e lavei bem por dentro e por fora


Sé em 1951 a Harley Davidson passou a oferecer a opção de câmbio com acionamento no pé mas optei por usar esse sistema nessa moto para que ela pudesse ser usada com mais facilidade por quem não tem experiência com o acionamento manual, isso permitiu que o meu amigo Amaury corresse com ela no Pé na Tábua. Para tal eu substitui a tampa do câmbio por uma outra com trambulador que eu havia montado para usar na Panhead 60 e acabei não usando. Estava montada, engraxada e guardada esperando o seu dia
 
Todos os parafusos externos do câmbio assim como sua placa de fixação no quadro foram zincados. Um defletor de óleo novo foi instalado pois estava sem
 
Então foi só fixa-lo ao quadro com parafusos novos de aço, também zincados


Como passei o câmbio para acionamento no pé, precisei passar a embreagem para acionamento na mão. Para isso precisei do manete, cabo, suporte do cabo com regulagem e haste de acionamento da embreagem no câmbio
 
O suporte do cabo é o grande segredo desse kit, é fixado na base do tanque de óleo envolvendo o tubo central do quadro. Precisei abrir uma "janela" na placa que dá sustentação ao tanque de óleo para que a instalação ficasse funcional e me permitisse regular a tensão do cabo

O braço de acionamento é igual ao da Shovel, mais curto que o da embreagem com acionamento no pé

quinta-feira, 17 de julho de 2014

SUBVERTENDO A CRONOLOGIA

 
A parte final da montagem da moto foi feita na correria para poder participar do Pé na Tábua, deixei alguns gatilhos que imediatamente depois do evento resolvi arrumar, desmontei parcialmente a moto para corrigi-los e para não voltar a cada tema duas vezes vou alterar a cronologia das postagens, vou colocar a primeira montagem e na sequência a correção

Uma das razões da desmontagem total da frente foi o fato de precisar do garfo fixo para usar como modelo para a reconstrução de um outro garfo, mas isso será assunto de uma postagem posterior
A montagem foi feita como sempre, usando um grampo para comprimir a mola inferior

Isso permite a montagem das molas superiores com suas porcas e contra porcas
 
Uma peça que foi agora acrescentada a frente foi o suporte de farol, esse suporte é o correto dessa frente e a única "licença poética" que fiz foi o uso do amortecedor dianteiro que só foi usado á partir de 1946, mas como faz uma diferença danada no uso, optei por ele

Nessa nova montagem usei as travas de porca originais em substituição as arruelas de pressão que usei na primeira montagem. Esse é um daqueles detalhes que pouquíssimas pessoas vão reparar mas que fazem toda a diferença
 
Outra substituição foi no mecanismo de fixação da barra que trava o espelho de freio, havia usado um parafuso com a cabeça cortada e uma bucha para ajusta-lo. A fixação original não necessita da bucha e tem uma engraxadeira na ponta


Aqui a peça correta montada também com a trava original.

segunda-feira, 14 de julho de 2014

MONTANDO OUTRA SPRINGER

 
As molas são novas, mandei fazer algumas há algum tempo usando uma original como modelo, estavam guardadas fosfatizadas e como seriam zincadas optei por passa-las na escova de aço para melhorar o aspecto final. Fiz isso na minha ultra profissional bancada do tipo pia

 
Quando as peças são cromadas recebem  antes um trabalho de polimento, quando vão ao zinco recebem apenas o banho reproduzindo as imperfeições da superfície. Apesar dessa moto não usar cromo não quer dizer que não possa deixar aas peças zincadas com um aspecto melhor

 
Os garfos e os jumelos foram pintados com eletrostática preto brilhante, hastes, porcas, buchas das hastes e dos jumelos novas

 
A frente já pronta, lembrando sempre de engraxar todas as partes móveis antes da montagem
 
Para a instalação da frente sempre substituo os rolamentos originais por rolamentos cônicos de primeira linha. Para essa adaptação podemos tornear a base original cravando pistas novas ou partir para a substituição delas pelas de Shovel que encaixam perfeitamente no quadro hardtail


No garfo fixo precisamos retirar a parte da pista que fica na base do canote e cravar o rolamento novo. Cuidado para não esquecer de colocar o guarda pó antes do rolamento. Esse pó que aparece por todo lado foi um amadorismo meu, esqueci de proteger o canote antes da pintura e precisei lixa-la para cravar o rolamento, depois foi só limpar e engraxar
 
 
E fazer a montagem, já com a moto no cavalete. Um macete é colocar a frente ou com o câmbio no local ou no mínimo com a roda traseira para evitar que o peso da springer vire a moto



terça-feira, 8 de abril de 2014

NA MIDIA

 
Matéria sobre a nossa participação no evento Pé na Tábua - Revista Moto Adventure 160
 


E a TT 1940 sendo pilotada pelo Amaury na matéria da revista Sexy sobre o Pé na Tábua

domingo, 6 de abril de 2014

RETOMANDO

 
Após o intervalo nas postagens e da participação no Pé na Tabua, vou recomeçar a descrição da reforma da moto do ponto onde parei
 
A primeira coisa a ser instalada no quadro foi o tanque de óleo, foi jateado e pintado com tinta epóxi
 
 
após ser lavado incontáveis vezes foi instalado ao quadro. O tanque tem que ser colocado antes do câmbio pois caso contrário ele não entra

terça-feira, 1 de abril de 2014

FLATHEAD A VENDA

Tratar direto com  Nenê : (11) 29150148
 
 
Harley Flathead 1200 cc, década de 40, documentação em dia, com placa especial
Toda a mecânica e montagem feitas pelo mestre das HDs antigas, o Nenê !



Tudo de melhor para um motor flathead rodar bem, ignição eletrônica Mallory, Alternador com regulador de voltagem eletrônico da Cycle Electrics, carburador CV e a vantagem de ter sido fechado pelo Nenê


Cambio montado com trambulador para acionamento no pé, e que pode facilmente ser voltado para a mão pois foi mantido o sistema de alavanca no tanque
Embreagem com acionamento na mão com mouse trap original
Primária com belt drive montada na tampa original

 
Painel original, punhos de HD "moderna , pintura nova, banco de molas zero


Frente de moto japonesa com freio a disco, o quadro é original com angulo do caster alterado que em conjunto com a frente mais longa deixou uma ciclística muito boa
 
 
Em resumo, uma flathead que foi montada para rodar com tudo que tem de melhor
E olha que essa anda !!!
 
 
 
Tratar direto com  Nenê : (11) 29150148
 
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...