.

.

domingo, 1 de fevereiro de 2015

TEM UMA ESTRANHA NO NINHO. UM NOVO PROJETO NA JURASSIC MACHINES.


Prá quem pensava que a Jurassic Machines é 100% Harley Davidson, chegou por aqui uma inglesinha pra quebrar o paradigma, uma Norton ES2 1950, que por enquanto será chamada de Torton até que a restauração avance (porque 100% concluída já sei que nunca será...) e possamos chamá-la de "The Norton"

essa é uma ES2 1947 (não, não é a Torton)


A conselho do Mestre Hadys, resolvi segurar a ansiedade e me dedicar a pesquisa bibliográfica antes de sair detonando no ebay atrás de um monte de peças que, no final, eu talvez acabe por nem utilizar por ter mudado o foco do projeto no meio do caminho.

Um pouco da história da ES2 afinal, cultura automobilística (ou seria motomobilística?) nunca é demais:

A ES2 foi produzida pela Norton a partir de 1927 com um motor monocilíndro de 490 cc de curso longo, com diâmetro de 79 milímetros x 100 mm de curso e foi originalmente lançada como uma motocicleta esportiva, mas que ao longo dos anos foi gradualmente ultrapassada por modelos mais poderosos da própria Norton, como a Manx.

 A Norton ES2 teve inicialmente um quadro CS1 de 3 tubos e o recém desenvolvido motor OHV - OverHead Valve (válvulas no cabeçote) redesenhado com magneto montado atrás do motor e pushrods (varetas de válvula) cobertas . O projeto do quadro foi logo alterado para um berço duplo, que permaneceu em produção com modificações menores até a introdução do quadro Featherbed (colchão de penas em uma tradução literal) em meados dos anos 50.

Durante a Segunda Guerra Mundial, toda a produção de Norton foi entregue ao exército que demandava máquinas de motores de válvulas laterais. A produção dos motores OHV foi retomada após a guerra e, em 1947, a ES2 recebeu um garfo dianteiro telescópico de atuação hidraulica, inovador para a época e deixou de ser "rabo duro" com uma suspensão traseira com molas recobertas, conhecida como plunger, desenvolvida nas pistas de corrida. Em seguida, as partes internas do motor receberam muita atenção, com uma série de modificações sendo incorporadas em 1948. A caixa de câmbio passou a ser “deitada” a partir de 1950 e em 1951, recebeu um tanque de gasolina maior de 3,5 galões.


O modelo manteve-se popular por muitos anos devido à sua confiabilidade e facilidade de manutenção, bem como pelo design tradicional. A maioria das pessoas acredita que ES significa enclosed springs (molas cobertas) em referencia ao plunger mas ele só foi introduzido em 1947. O mais provável é que o termo se refira as molas das válvulas do motor cobertas. Outra possibilidade é que o nome ES2 seja a uma referência a easy2 (easy=fácil).

A partir de 1953, o quadro foi mudado para o famoso Featherbed da Norton e em 1959 recebeu uma  caixa de câmbio AMC melhorada, a cabeça do cilindro foi revista, um alternador Lucas RM15 de 60 watts com bobina de ignição (até então usava magneto) e um freio dianteiro com tambor de 8 polegadas foi adicionado. Uma ES2 com um chassis Featherbed wideline (largo) foi testada pela revista Ciclo Motor em  junho de 1959 e alcançou uma velocidade máxima de 82 mph (132 km/h) e com consumo de combustível de 56 mpg (90 km/4,5 L ou 20 km/L) a velocidade constante de 60 mph (96,6 km/h).


Para 1961, em comum com outras Nortons de motores grandes, a moto foi melhorada com um quadro Slimline com longarinas superiores mais estreitas, o que permitia também um tanque reestilizado e mais estreito.

A última Norton ES2 foi produzido em 1964, embora uma máquina Matchless G80 com emblemas da Norton tenha sido produzida  com o mesmo nome por mais dois anos antes de descontinuação definitiva que coincide com o fracasso comercial do Grupo AMC.

No próximo post, falo um pouco mais da Torton que esse já está grande demais.

Um comentário:

Bayer // Old Dog disse...

Só fina estirpe, Hadys!

Parabéns pelo novo projeto, vou acompanhar!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...